quinta-feira, 28 de abril de 2016

VENTANAS, POEMA DE YAYÁ



VENTANAS

São panapanás amarelas
Vindas ao quintal taturanas,
Dizendo palavras singelas
Das almas de si porcelanas

Que buscam floreiras, janelas,
Onde a colorir flores planas,
Negam-se a queimar arandelas
Em salas de estar suburbanas.

Vestem asas às paralelas,
Flanam decorando persianas;
Deixando ao chão suas mazelas,
Sobem ao destino e às ventanas.

http://arteseescritas.blogspot.com/



5 comentários:

Daniel Costa disse...

Renata

Ora ai está um esplendido poema, construído por metáforas.

BRASIL: O SORRISO DE DEUS.
Capitania de São Vicente
Se comentar, agradeço o post agadeço.
http://amornaguerra.blogspot.pt/

Bjs

Rosa Alentejana disse...

Um pelo poema com asas para voar!
Obrigada pela partilha <3
beijinho

MARILENE disse...

Um belo poema onde se lê muito mais do que foi escrito. Gostei muito da escolha, Renata! Bjs.

Artes e escritas disse...

Agradeço a sua publicação de um poema meu, o quadro e a música com a talentosa cantora Adriana, um leque de artes, que coincidentemente comentei durante essa semana: a arte que não é minha, por certo me fascina, como a pintura e o canto. Um abraço, Yayá.

São disse...

Muito interessante...

Beijinhos amigos , com votos de bom Dia da Dança