domingo, 31 de janeiro de 2016

O FOGO E AS SALAMANDRAS, POEMA DE MÁRIO QUINTANA




O FOGO E AS SALAMANDRAS

A vida é um incêndio:
nela dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!
Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida...



2 comentários:

Jorge disse...

Mas não sou só eu, a menina escreve lindamente...
Beijinho e bom Domingo, Lindona!!!

:))

PAULO TAMBURRO. disse...

RENATA MARIA,

então não fez-se destroços pois, o que ficou ali foi um pouco só de vida consumida.

Ainda existe muito mais!

Um abração carioca.