sexta-feira, 13 de junho de 2014

SONETO, DE CARVALHO JÚNIOR



SONETO, DE CARVALHO JÚNIOR

Quando, pela manhã, contemplo-te abatida,
amortecido o olhar e a face descorada,
imersa em languidez profunda, indefinida,
o lábio ressequido e a pálpebra azulada,

relembro as impressões da noite consumida
na lúbrica expansão, na febre alucinada,
do gozo sensual, frenético, homicida,
como a lâmina aguda e fria de uma espada.

E ao ver em derredor o grande desalinho
das roupas pelo chão, dos móveis no caminho,
e o boudoir, enfim, do caos um fiel plágio,

suponho-me um herói da velha antiguidade,
um marinheiro audaz após a tempestade,
tendo por pedestal os restos de um naufrágio!

5 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

13/06/14, SONETO, DE CARVALHO JÚNIOR.
Renata Cordeiro

Elvira Carvalho disse...

Mais um poema que eu não conhecia. Obrigada pela partilha.
Gostei do vídeo.
Um abraço e bom fim de semana

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá

Que haja sempre
uma inspiração
para acordar
as palavras
adormecidas
em tua vida.

São elas que dão sentido a tua vida,
e as vidas que passeiam por tuas palavras.

Pérola disse...

Uma inspiração métrica muito bem conseguida.

Obrigado pela partilha.

Beijinhos

Evanir disse...

Apesar de todos os desencantos,
de todos os obstáculos, das dificuldades.
ainda sim é preciso manter
a esperança que vive em você!
Apesar de todos os desencantos,
de todos os obstáculos, das dificuldades.
ainda sim é preciso manter
a esperança que vive em você!
Estou passando para semear amor
é tudo que sei fazer ,
e tudo que posso fazer de melhor na minha vida.
È semeando amor que cultivo amizade ..
È semeando amor que encontraremos
a paz tão sonhada
Deus abençoe seu final Domingo.
E sua semana também.
beijos e meu eterno carinho.
Evanir.