quinta-feira, 1 de maio de 2014

À LUA, SONETO DE ELZEÁRIO DA LAPA PINTO



À LUA, SONETO DE ELZEÁRIO DA LAPA PINTO

Vem, ó lua, contar-me as tuas dores,
Teus segredos d´amor: deixa um instante
Essa louca estrelinha rutilante
Que desdenha cruel os teus amores.

Vem aqui derramar os teus palores,
Vem dizer-me qual é a tua amante,
Se é aquela menor, menos brilhante,
Ou aquela que tem mais esplendores.

Pobre lua! tu gemes, tu deploras
A sorte sempre avessa – a ingratidão,
De uma linda estrelinha a quem namoras.

Mas eu, pobre de mim! louca paixão
Me tortura a existência! ah! se tu choras
Eu sou mais infeliz, não choro, não.

5 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

01/05/14, À LUA, SONETO DE ELZEÁRIO DA LAPA PINTO.
Renata Cordeiro

Blue disse...

E ao luar
fico a imaginar
como será o choro
de quem não sabe amar!

Beijo

Jorge disse...

A boa da Blue está inspiradíssima...tal como a boa da Renata que deve estar apaixonada...
Beijinhos com tesão!
:)))

Blue disse...

Obrigado querida Renata..........

Beijo

Alexandrino Sousa disse...

Olá Renata,
muito triste ser desdenhado por quem se ama...mas o amor tem destas coisas....


Beijinho
Alex