terça-feira, 15 de abril de 2014

SONETO, DE JOSÉ MARIA DO AMARAL



SONETO, DE JOSÉ MARIA DO AMARAL

Passaste como a estrela matutina,
Que se some na luz pura da aurora;
Da vida só viveste aquela hora
Em que a existência em flor luz sem neblina.

Ver-te e perder-te! De tão triste sina
Não passa a mágoa em mim, antes piora;
Sem ver-te já, minh´alma inda te adora
Em triste culto que a saudade ensina.

Não vivo aqui; a vida em ti só ponho,
Na fé, de Cristo filha, a dor abrigo,
Futuro em ti no céu vejo risonho!

Neste mundo, meu mundo é teu jazigo;
Dizem que a vida é triste e falaz sonho;
Se é sonho a vida, sonharei contigo.



O Poesia em Língua Portuguesa recebeu este prêmio do Blog intervalo para café (http://intervaloparaumcafe.blogspot.com) e o oferece a quem passar por aqui. Muito grata, Jorge.

6 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

15/04/14, SONETO, DE JOSÉ MARIA DO AMARAL (1813-1885).
Renata Cordeiro

Blue disse...

E se sonhar é vida,
como é bela a vida,
podendo sonhar contigo!

Beijo

Daniel Costa disse...

Querida Renata

Ambos os sonetos de hoje parecem inspirado em Florbela Espanca. Sente-se certo ar de tragédia, independentemente, da beleza e da intensidade.
Levei o selo, que postarei.
Beijos

São disse...

Parabéns pelo prémio, mais do que merecido!

Gostei do poema , embora triste.

Vim de ler o seu texto sobre "Os Sapatos Vermelhos" e , não sei se por lido o conto muito novinha, sempre fico com a boca a saber a papéis de música...

MInha querida, abraço para te dar muito carinho e força!

PAULO TAMBURRO. disse...

RENATA,

estou lhe seguindo, aqui também.

E você acha que depois deste seu versejar definitivo da descoberta dos sonhos que são vidas, ainda era necessário pedir ao Tim Maia, para colocar mais lenha nesta fogueira de pura sensibilidade que aspergiu emoção para todos os lados?

Esta dose dupla na sua postagem, ficou digna de um belíssimo grande final do Cirque du Solei ou a chegada esperada ao cume do Himalaia, por mim sôfrego alpinista já descrente de novas conquistas.

Valeu!!!

Um abração carioca.

Rosemildo Sales Furtado Furtado disse...

Belíssima homenagem Renata! Lindo o soneto do José Maria do Amaral. Aliás, gostei também do Tim Maia e sua interpretação. Ótimas escolhas.

Finalmente, consegui acessar o "Poesia Em Língua Portuguesa" Rsrs.

Beijos e uma ótima noite pra ti.

Furtado.