segunda-feira, 7 de abril de 2014

SONETO, DE JOSÉ DA NATIVIDADE SALDANHA

                              




                                               À sombra deste cedro venerando
                                               Momentos mil gozaste encantadores...
                                               Aqui mesmo sentado entre os verdores
                                               Te achou mil vezes Pedro suspirando...

                                               Parece-me que estou ‘inda escutando
                                               Teus suspiros, teus ais e teus clamores...
                                               Parece-me que a fonte dos Amores
                                               Inda está de queixosa murmurando!...

                                               Aqui viveu Ignez!... E reclinada
                                               À borda d´esta fonte clara e pura,
                                               Foi, que horrível memória! traspassada!

                                               Mortais, gemei de mágoa e de ternura;
                                               Nesta rara beleza, não manchada,
                                               Foi culpa amor, foi crime a formosura....



4 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

07/04/14, SONETO, DE JOSÉ DA NATIVIDADE SALDANHA (1796-1830).
Renata Cordeiro

Tony Madureira disse...

Muito bom!! :)

Evanir disse...

Renata amiga querida.
Hoje venho com muito carinho
dizer a você para pegar destaque a sua escolha
e fica a vontade para pegar tudo que você gostar para todos os seu blog.
Que Deus abençoe seu final de semana
beijinhos no coração.
Evanir.
O link da pagina é esse abaixo..

Daniel Costa disse...

Renata, sempre lindos os poemas dos amores de Inês e D. Pedro. Será que chegaste a ir à Quinta das Lágrimas em Coimbra, onde ela viveu?
Beijos