sábado, 8 de março de 2014

TRISTÃO E ISOLDA, POEMA DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN



TRISTÃO E ISOLDA, POEMA DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


Sobre o mar de Setembro velado de bruma
O sol velado desce
Impregnando de oiro a espuma
Onde a mais vasta aventura floresce.

Tristão e Isolda que eu sempre vi passar
Num fundo de horizontes marítimos
Trespassados como o mar
Pela fatalidade fantástica dos ritmos
Caminham na agonia desta tarde
Onde uma ânsia irmã da sua arde.
 
 

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

08/03/14, TRISTÃO E ISOLDA, POEMA DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN.
Renata Cordeiro

São disse...

Sophia é sempre agradável de ler...

Minha amiga, bom Dia da Mulher!

Nelma Ladeira disse...

Lindo poema de Sophia!
Amei,beijinhos.