quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

TALVEZ, POEMA DE ALBANO MARTINS


TALVEZ, POEMA DE ALBANO MARTINS

Sim, dizias tu, mas em seguida
corrigiste: talvez. Esta é a única palavra
que não tem casa. Que
mora no intervalo entre
o som e o silêncio.

4 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

19/02/14, Talvez, poema de Albano Martins.
Renata Cordeiro

Silenciosamente ouvindo... disse...

Agradeço muito a sa visita ao meu
blohur intemporal-pippas.Posso
sugerior uma visita a outro dos
meus bloges:
http://sinfoniaesol.wordpress.com
Já me registei neste se como
seguidora. A m/página no Facebook
é Marques Irene se quiser ser minha amiga me envie um convite.
Bj.
Irene Alves

São disse...

Um poema muito bonito, com essa metáfora extraordinária de o "talvez" ser a única palavra sem casa...

Não ouvi o vídeo, porque o meu computador está alérgico a sons...

Bom dim de dia, rrrs

Alexandrino Sousa disse...



..e o talvez é o tal intervalo que faz doer pela indecisão...


beijinho
ALex