sexta-feira, 30 de abril de 2010

QUEM PODE DIZER? SÓ O TEMPO...




QUEM PODE DIZER? SÓ O TEMPO...



Enya



Quem pode dizer para onde vai a estrada?

Para onde o dia flui?

Só o tempo ...



E quem pode dizer se o seu amor cresce,

conforme seu coração escolhe?

Só o tempo...



Quem pode dizer por que seu coração suspira

conforme seu amor voa?

Só o tempo



E quem pode dizer por que seu coração chora,

quando seu amor morre?

Só o tempo...



Quem pode dizer quando os caminhos se cruzam,

que o amor deve estar em seu coração ?



E quem pode dizer quando o dia termina,

se a noite guarda todo o seu coração?

se a noite guarda todo o seu coração...



Quem sabe?

só o tempo...



Quem sabe?

Só o tempo...



Mensagens de Amor





quinta-feira, 29 de abril de 2010

MULHER, VOU DIZER QUANTO EU TE AMO






MULHER, VOU DIZER QUANTO EU TE AMO
Chico Buarque



Flowers Images Photo Sharing Funny Pics



Mulher, vou dizer quanto eu te amo


Cantando a flor


Que nós plantamos


Que veio a tempo


Nesse tempo que carece


Dum carinho, duma prece


Dum sorriso, dum encanto


Mulher, imagina o nosso espanto


Ao ver a flor


Que cresceu tanto


Pois no silêncio mentiroso


Tão zeloso dos enganos


Há de ser pura


Como o grito mais profano


Como a graça do perdão


E que ela faça vir o dia


Dia a dia mais feliz


E seja da alegria


Sempre uma aprendiz


Eu te repito


Este meu canto de louvor


Ao fruto mais bendito


Desse nosso amor



Free Image Hosting Photo Sharing Funny Pics





segunda-feira, 26 de abril de 2010

TEU CORPO DE MULHER******************************











Teu corpo de mulher, foi meu outrora.
Perdia-me no peso representativo dos teus gestos,
Com dentes ainda me mordes os desejos, que despertos
Se mantêm em harmonias de sensações que a alma devora…



Teu corpo de mulher, orgia entranhada no pensamento,
Como nuvem de poeira distinta, cobrindo a lucidez.
Por ti, ébrio me ajuízo, fruído me revejo outra vez,
Por tufões de calores… afamo em teu sentimento…



]Anseio sonhar-te, ver-me na fantasia real, não absorto.
Ser batel navegante em tua única via,
Ver-me estribado à margem do teu porto…



Anseio ver-me, sonhar-te, na real fantasia.
Ser síntese das carícias em teu corpo.
Ser na tua vida, a razão incidente da alegria…

Corpo de Mulher
Carlos Alvez







sexta-feira, 23 de abril de 2010

POEMA À MÃE***********************************





POEMA À MÃE********************************


Eugénio de Andrade



No mais fundo de ti

Eu sei que te traí, mãe.



Tudo porque já não sou

O menino adormecido

No fundo dos teus olhos.





Tudo porque ignoras

Que há leitos onde o frio não se demora

E noites rumorosas de águas matinais.



Por isso, às vezes, as palavras que te digo

São duras, mãe,

E o nosso amor é infeliz.



Tudo porque perdi as rosas brancas

Que apertava junto ao coração

No retrato da moldura.



Se soubesses como ainda amo as rosas,

Talvez não enchesses as horas de pesadelos.



Mas tu esqueceste muita coisa;

Esqueceste que as minhas pernas cresceram,

Que todo o meu corpo cresceu,

E até o meu coração

Ficou enorme, mãe!



Olha - queres ouvir-me? -

Às vezes ainda sou o menino

Que adormeceu nos teus olhos;



Ainda aperto contra o coração

Rosas tão brancas

Como as que tens na moldura;



Ainda oiço a tua voz:

Era uma vez uma princesa

No meio do laranjal...



Mas - tu sabes - a noite é enorme,

E todo o meu corpo cresceu.

Eu saí da moldura,

Dei às aves os meus olhos a beber.



Não me esqueci de nada, mãe.

Guardo a tua voz dentro de mim.

E deixo as rosas.



Boa noite.Eu vou com as aves.

Mensagens de Amor







terça-feira, 20 de abril de 2010

SELVAGEM*******************************************




SELVAGEM*************************




Tomás Vieira da Cruz









Ninguém, ninguém, ninguém me queira mais;



podem trazer-me tudo quanto existe:



as pérolas de Ofir e as irreais



ilusões que contentam quem é triste.



Podem trazer-me, em doidos vendavais,



a luz da f'licidade que sentiste,



mulher ditosa que em cortejo vais



seguida de quem ama de quem riste.



Podem passar, ó loucas multidões



que eu bem o sinto, em tétrica miragem,



o labirinto em vossos corações...



Podeis passar, ó luz do sol fecundo,



porque eu não troco o amor desta selvagem



por todas as grandezas deste mundo!