sexta-feira, 27 de agosto de 2010

ENTRE A CRUZ E A ESPADA


ENTRE A CRUZ E A ESPADA


A mente feminina é um grande mistério

que em vão, os homens tentam entender.

Porém, enquanto perdemos o precioso tempo

tentanto achar algum modo de desvendar,

deixamos de cumprir a nossa maior missão:

Mergulhar de cabeça nesse universo feminino

sem receio de viver todas nuances da paixão!





@ Valter Montani




9 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Este é um poema do nosso querido amigo e grande poeta Valter Montani. Tem vários blogs, dentre os quais, destaco o Valter Poeta.
Os seus poemas são recheados de lirismos, sempre em louvor às mulheres. Além de poeta, é um Ser Humano maravilhoso.
Bom fim de e boa semana com Amor e Paz.
Renata

Alvaro Oliveira disse...

Olá RENATA

UM BELO POST CONVIDATIVO À REFLEXÃO. E O VIDEO DE PENÉLOPE CRUZ, MUITO SENSUAL.

uM BOM FIM DE SEMANA E O DESEJO DE QUE ESTEJA NO SEU MELHOR.

BEIJOS

ALVARO

Elias Balthazar disse...

A mente feminina, magnética,
Sol que planetas orbitam,
aromática como a alma das flores,
possui mistérios de sabor noturno
e frescor primaveril

Não me preocupo com seus mistérios,no entanto,pois eles são a mágica que sustenta as mulheres.

Sonhadora disse...

Minha querida Renata
Também adoro a poesia de Valter Montani.
Lindo.

Deixo beijinhos com carinho
Sonhadora

Mgomes - Santa Cruz disse...

Olá Renata: Lindo poema, é um poema que nos convida a uma reflexão adorei imnso.
Beijinhos
Santa Cruz

BB disse...

Hermoso leerte
Un abrazo
BB

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito obrigada a todos!
Para vocês!

"Jogo de Luzes

Você passou pelo meu pedaço como um cometa

Despontou no horizonte de repente

e confundindo você com uma estrela cadente

apressei-me a formular meus desejos...



(minha alegria pipocou assim

como um show de fogos de artifício)



Rompendo o breu morno da noite subiu e traçou

uma trajetória oblíqua

para desaparecer do outro lado da tela

– com menos brilho, é certo

e o imenso rabo um tanto chamuscado...



(minha ira estourou como uma tormenta em tecnicolor

com direito a raios, faíscas e trovões)



Fiquei a ver estrelas, sim,

e num céu dos mais nublados

enquanto você foi brilhar

em outros firmamentos...



(depois da tempestade

a bonança)



Guardei por aqui uns raios de luz

caídos na derrapada da curva

se precisar, venha buscar

não faça cerimônia

a que tenho deve dar pro gasto

e só depois me ocorreu

que deslumbrar-se é fruto da distração

e cometas só brilham na escuridão."
Poema da Renata.
Beijinhos enormes! Visitem-me no hospital, agora!!!!
Renata

legalmente loira... disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Daniel Costa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.