sábado, 14 de agosto de 2010

AO CREPÚSCULO*****


AO CREPÚSCULO*****  
QUATRO ÚLTIMAS CANÇÕES/ IV
Música: Richard Strauss/ Poema: Joseph von Eichendorff

Por dores e gozos, trilhamos
nosso caminho de mãos dadas;
agora nós dois repousamos,
na terra toda silenciada.

Ao redor, vales inclinantes.
já entra o céu na escura via;
sonham, voando, no ar fragrante
somente duas cotovias.

Vê como voam nestes ermos.
Já chega a hora de dormir.
Vem, a fim de não nos perdermos
neste solitário sumir.


® Renata Cordeiro





7 comentários:

SolBarreto disse...

Lindo poema!
"Vê como voam nestes ermos.
Já chega a hora de dormir.
Vem, a fim de não nos perdermos
neste solitário sumir."
Perfeito!!

M@ria disse...

"É preciso ter um plano. É preciso imaginar a Terra Prometida e querer ir para lá. O primeiro passo é sonhar. Sem uma meta ninguém faz nada."

(Willian Douglas)

Muita paz na semana que se inicia!
Beijos de coração prá coração!!

Daniel Costa disse...

Renata

Belo poema óptimas ilustrações.
Bom sono.
beijos

José disse...

Renata!
Deixa-me que te agradeça o excelente comentário, que fizeste ontem no meu
blog, Eu posso atirar pedras,mas quando é preciso também atiro flores,infelizmente aqui, e neste momento não há razão para atirar flores, porque o momento é de tristeza, mas temos que levar a vida para a frente.

Parabéns pelo o teu bonito poema.
Um beijinho grande,
José.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Obrigada a todos. José, o poema não é meu. É uma tradução.
Beijos e até já+++

JB disse...

Vejo que essa viagem no poema é feita a dois...por isso a solidão é partilhada e mais leve para cada um!

Muito bonito!

Beijinho

legalmente loira... disse...

nossa que encanto...
saio daqui de alma mais leve

Uma semana cheia de luz pra você

beijos