quinta-feira, 1 de julho de 2010

DÁ-ME TUA MÃO*****************************





DÁ-ME TUA MÃO*********
Clarice Lispector

Dá-me a tua mão:
Vou agora te contar
como entrei no inexpressivo
que sempre foi a minha busca cega e secreta.
De como entrei
naquilo que existe entre o número um e o número dois,
de como vi a linha de mistério e fogo,
e que é linha sub-reptícia.

Entre duas notas de música existe uma nota,
entre dois fatos existe um fato,
entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam
existe um intervalo de espaço,
existe um sentir que é entre o sentir
– nos interstícios da matéria primordial
está a linha de mistério e fogo
que é a respiração do mundo,
e a respiração contínua do mundo
é aquilo que ouvimos
e chamamos de silêncio.


7 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

*Dá-me tua mão* e Bom Fim de Semana com muito Amor e Paz para todos nós*

Sonhadora disse...

Minha querida
tens a minha mão a minha amizade sincera.

Deixo-te um beijinho
Sonhadora

Daniel Costa disse...

Renata

Clarice Lispector, vale a pena que vás optando pela sua poesia. deixou-nos um tratado de como tratar a palavra poéticamente.
Beijos
Daniel

Luisa disse...

Uma grande escritora.
Foi bom ler este post

SolBarreto disse...

Adorei o texto!

Sandra Botelho disse...

Lindo de viver.
belissimo texto, cheio de verdade.
Bjos achocolatados

Female disse...

Lindo poema Clarice é tudo.Parabens pleo lindo blog.
Bjosssss