domingo, 6 de junho de 2010

LEVE COMO UMA NÉVOA BRANCA + MEU LIVRE CANTO



LEVE COMO UMA NÉVOA BRANCA + MEU LIVRE CANTO





Leve como uma névoa branca a tua cortina


Ondulando no sabor de uma brisa mansa,


Nas horas silenciosas quando balança


A fina luz da tua silhueta fina...




Leve, talvez, como um sonho alto de neblina


O cortinado feito em gaze ou em faiança,


Como se uma fantasmagórica nuança


Fosse, como o véu de uma estrela vespertina.



E a tua sombra... Tua sombra em tênue radiância


Como se na aura mística de uma fragrância


Espiasse um fantasma vago de menina



Ou a forma de um anjo acortinada em nuança.


- É a tua espera numa noite de esperança...


Que não se acaba... Que não passa... Não termina...






Poema de Paulo Mauricio G. da Silva







8 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

06/05/2010 *LEVE COMO UMA NÉVOA BRANCA + MEU LIVRE CANTO*
Renata

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Boa Semana com Paz e Amor para todos Nós*

Sonhadora disse...

Minha querida
Um lindo poema, muito leve.
Boa semana também para ti.

Beijinhos
Sonhadora

Sandra Botelho disse...

Que lindo amiga...
Quanta delicadeza...
Bjos achocolatados

Machado de Carlos disse...

Não deu pra logo cedo e lhe dizer:
Bom-dia! Mas estou agora desejando-lhe uma Boa-noite!
Beijos.

Daniel Costa disse...

Renata

Também o poema é belo e branco, como se diz no próprio e eu acresco, branco de alvura, que as tuas sempre magníficas ilustrações acentuam.
Beijos
Daniel

José disse...

Olá querida Rê!

Bonito poema, e também gostei muito deste vídeo, boa escolha.

E esta pomba branca
em tuas mãos vem pousar
a sua beleza é tanta
que ela canta e encanta
e vai de novo cantar.

beijinhos, muitos,
José.

Machado de Carlos disse...

Olá! Vim lhe dar um beijo! (Se vc. quiser pode me passar e-mail: machadodekarlos@uol.com.br