sexta-feira, 14 de maio de 2010

MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES*********************




MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES******************



O AMOR PODE TER VÍRGULAS MAS NUNCA TERÁ PONTO FINAL





Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades







Muda-se o ser, muda-se a confiança







Todo o mundo é composto de mudança







Tomando sempre novas qualidades







Continuamente vemos novidades







Diferentes em tudo da esperança







Do mal ficam as mágoas na lembrança







E do bem, se algum houve, as saudades,







O tempo cobre o chão de verde manto







Que já foi coberto de neve fria







E em mim converte em choro o doce canto







E, afora este mudar-se cada dia,







Outra mudança faz de mor espanto:







Que não se muda já como soía.





(L. V. de Camões)







11 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

14/105/2010, "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...", soneto de L. V de Camões.
Renata

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Soneto muito conhecido, que tirei do outro bloguito, porque, apesar de os tempos e as vontades mudarem e até findarem, já o Amor, ah, este não tem fimmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
Bom Fim de Semana com muito Amor para todos nós.
Beijos

rouxinol de Bernardim disse...

Camões está sempre actual, mesmo hoje quando a poesia abstracta tenta impor-se... sendo uma mao cheia de nada... para o meu gosto, claro.

Camões é intemporal.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Renata
Passei para lhe desejar um ótimo fim de semana.
Beijos

Jortas disse...

Paradoxalmente a única situação permanente é a de mudança.
Bjs e um feliz fim de semana.

Sandra Botelho disse...

Que lindo querida...
Tudo aqui tem cheiro de flor e amor.
Bjos achocolatados

Ah! Vota em mim???

Sonhadora disse...

Minha querida

Lindo poema .

Deixo um beijinho com carinho e Bom fim de semana.

Sonhadora

Hod disse...

Maravilhoso esse soneto de Camões.

Bom final de semana Rê

Beijo pra vc.

Hod.

Emilia disse...

Sempre actual.
Sempre imortal.

Um abraço

Daniel Costa disse...

Renata

Sempre assim será, como era nos tempos do imortal poeta, Luiz Vaz de Camões. Um poeta pode cantar hoje do mesmo modo, sem se enganar, nem enganar alguém.
Beijos
Daniel

Fernanda disse...

Querida amiga Renata!

Conheço lindamente e amei.
Sabes que há um cantor português que eu adoro, Sérgio Godinho, que canta este soneto de uma forma divinal???

Querida, queria muito falar contigo, tu sabes porquê!
Tens o meu mail no perfil, posso dar-te o meu Skype ID.
Não estás só e não há amanhã, só há hoje e isto é para todos nós.

Love you loads and care for you more than you think.

Kisses and cuddles.