quarta-feira, 14 de abril de 2010

EM CADA GESTO PERDIDO TU ÉS IGUAL A MIM!








EM CADA GESTO PERDIDO TU ÉS IGUAL A MIM!



Em cada gesto perdido

Tu és igual a mim!

Em cada ferida que sara

Escondida do mundo

Eu sou igual a ti!



Fazes pinturas de guerra

Que eu não sei apagar

Pintas o sol da cor da terra

E a lua da cor do mar



Em cada grito da alma

Eu sou igual a ti!

De cada vez que um olhar

Te alucina e te prende

Tu és igual a mim!



Fazes pinturas de sonhos

Pintas o sol na minha mão

E és mistura de vento e lama

Entre os luares perdidos no chão



Em cada noite sem rumo

Tu és igual a mim!

De cada vez que procuro

Preciso um abrigo

Eu sou igual a ti!



Faço pinturas de guerra

Que eu não sei apagar

E pinto a lua da cor da terra

E o sol da cor do mar



Em cada grito afundado

Eu sou igual a ti!

De cada vez que a tremura

Desata o desejo

Tu és igual a mim!



Faço pinturas de sonhos

E pinto a lua na tua mão

Misturo o vento e a lama

Piso os luares perdidos no chão







Tatuagens



Mafalda Veiga





8 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

14/04/2010 Em cada gsto perdido tu és igual a mim.
Renata

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Porque somos todos Um em toda a nossa Multiplicidade. E é essa a Beleza da Vida.
Beijos
Boa continuação de semana para todos nós.
Renata

Sonhadora disse...

Minha querida Renata
Lindissimo poema...adorei.

Beijinhos
Sonhadora

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Renata
O seu bom gosto me encanta. O vídeo também é ótimo.
Beijos

FOTOS-SUSY disse...

OLA QUERIDA RENATA, MAGNIFICO E BELO POEMA...ADOREI...QUE TENHA UM FELIZ RESTO DE SEMANA AMIGA!!!
BEIJOS COM CARINHO,


SUSY

Alvaro Oliveira disse...

Olá Querida Renata

Minha querida amiga, venho agradecer a carinhosa mensagem deixada no meu espaço.
Ontem iniciei um tratamento aos olhos, com aplicação de gotas que me impedem de estar no PC. Vou
tentar sempre uma visitinha. Este é
o tratamento ao que se seguirá a cirurgia. Mas depois avisos meus queridos amigos quando tiver mesmo de parar. Creio que será pouquinho tempo. Enquanto puder, virei aqui deixar um beijo.

Beijinhos

Alvaro

JORDAS disse...

"Em cada grito da alma
Eu sou igual a ti!"
Se calhar temos uma alma comum e esquecemos isso depressa.
Como dizes há palavras que não se dizem praticam-se. A fraternidade está afinal na alma partilhada que somos todos nós.
Bjs pelo poema.

Maria disse...

Amiga, que lindo poema, adorei.
Bom fim de semana
bjs
Maria