sábado, 30 de janeiro de 2010

SER POETA + PULP FICTION





SER POETA



Florbela Espanca




Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens!

Morder como quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!



É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!



É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…

É condensar o mundo num só grito!



E é amar-te, assim, perdidamente…

É seres alma e sangue e vida em mim

E dizê-lo cantando a toda a gente!






9 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Sábado 30/01/2010 Ser Poeta + Pulp Fiction.
Marta + Renata

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Por Amor a esta grande poetisa e a este grande ator, e por que não, grande realizador e grande atriz, que tenhamos todos um delicioso Fim de Semana, se possível, com dança e muito Amor.
Beijos

Helena Rocha disse...

oieeeeeeeeeeeeeeee mt bom post sua malcriada´´ rsrs.... deskulpa eu vim aki sim eu juro mais por falta di tempo naum deixei um comentisss aki sempre comento no meu favoritu e acabei naum comentandu aki por falta di tempo e naum por maldadi, por issu vc pensou ki naum dei bola pro convite mais eu vim aki sim ai fika a seu criterio acreditar ou naum....

eu vim sei ki é xatu naum aceitar convites e principalmente se eles vem di grandes amigohss c/ vc kerida eu vim sim acredite, deskulpa por naum ter deixadu o comentiss aki, por issu pareci ki naum vim, puxa foi mall
podi sim publicar nos otros posts fique avontadi...
bringou cmg átoa em.... puxa vida....

****puxa fikei triste******

José disse...

Mulher

Mulher
estátua de fogo
moldada de amor
textura de seda
paixão e pudor
ventre sagrado
obreiro do mundo
prazer e dor
universo fecundo

Mulher
emoção em pedaços
o choro e o riso
fechado nos braços
ferida esventrada
sofrida, humilhada
mulher tudo
mulher nada
bálsamo bendito
de dor, sofrimento
refúgio
acolhimento.

Mulher mãe
mulher amante
farol que brilha
perto, distante
mãos de veludo
braços de cetim
dádiva de amor
sem principio ou fim

mulher que vibra
mulher que luta
sempre mulher
mesmo prostituta

mulher poeta
rimando o mundo
verso,poema
conto profundo

mulher. mulher

que te cante

quem souber

de ANA BRIZ


Ser poeta é ser alto é ser maior
é ser como a Renata Cordeiro
em seus comentários deixa amor
um pouco pelo mundo inteiro

Um bom final de semana
um grande beijinho,
José

Sonhadora disse...

Minha querida renata
Belo poema de Florbela...lindas imagens.
Belissimo tudo.
um bom fim de semana

beijinhos
Sonhadora

Wanderley Elian Lima disse...

Olá menina
Florbela tinha uma sensibilidade de dar inveja. Seus poemas tocam fundo ao coração da gente.
Tenha um lindo fim de semana
Beijos

Jortas disse...

Renata, este é um dos mais belos poemas da Literatura portuguesa.
Uso-o sempre que falo poesia.
Os trovante têm-no musicado.
Um verdadeiro espectáculo.
Votos de boa poesia.

prosasdeoutono disse...

Olá Renata,

Adoro a poesia de Florbela Espanca...

Beijinhos
Alex

Marta disse...

Florbela....num poema inesquecível...
A cantar sempre o amor.....
E dançar....porque não???
Beijos e abraços
Marta