quarta-feira, 28 de outubro de 2009

SONETO DA SAUDADE, POEMA DE GUIMARÃES ROSA, QUE EU DEDICO À MARTA



SONETO DA SAUDADE
Guimarães Rosa

Quando sentires a saudade retroar
Fecha teus olhos e verá o meu sorriso.
E eternamente te direi a sussurrar...
O nosso amor a cada instante está mais vivo!


Quem sabe ainda vibrará em teus ouvidos
Uma voz macia a recitar muitos poemas...
E te expressar que esse amor em nós ungido
Suportará toda distância sem problemas...


Quiçá, teus lábios sentirão um beijo leve
Como uma pluma a flutuar por sobre a neve,
Como uma gota de orvalho indo ao chão


Lembrar-te-ás toda a ternura que expressamos,
Sempre que juntos, a emoção que partilhamos...
Nem a distância apaga a chama da paixão


6 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Guimarães Rosa, expoente máximo da Literatura Brasileira em nosso Blogue. Dedico este soneto à Marta.
Beijos, abraços e muita força, querida,

Marta disse...

Obrigada, Renata.
Um belo poema de amor...não deve haver distâncias nos sentires...
As imagens perfeitas...
Beijos e abraços
Marta

Daniel Costa disse...

Renata

Escolheste um belo poema, deliciaste a Marta e a mim, também sou gente que te aprecia e também a Marta.
Parabéns!
Beijos,
Daniel

Ana Martins disse...

Bonita dedicatória, é sim um maravilhoso soneto!

Beijinhos,
Ana Martins

Graça disse...

Belo soneto... no amor não há distância.

Uma lembrança magnífica para a Marta.

Beijo meu, querida amiga

rouxinol de Bernardim disse...

Renata:

Este soneto de amor é paradigmático! soberbo!