sexta-feira, 30 de outubro de 2009

FELICIDADE, POEMA DE MANOEL BANDEIRA, QUE EU DEDICO À MARTA



FELICIDADE

Manoel Bandeira


A doce tarde morre. E tão mansa

Ela esmorece,

Tão lentamente no céu de prece,

Que assim parece, toda repouso,

Como um suspiro de extinto gozo

De uma profunda, longa esperança

Que, enfim cumprida, morre, descansa…

E enquanto a mansa tarde agoniza,

Por entre a névoa fria do mar

Toda minh´alma foge na brisa:

Tenho vontade de me matar!

Oh, ter vontade de se matar…

Bem sei é cousa que não se diz,

Que mais a vida me pode dar?

Sou tão feliz!

— Vem, noite mansa…

Paix.....Amour....Respect

6 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Poema de Manoel Bandeira, que eu dedico à Marta, como Beijos e Abraços e o meu desejo que tenha muita força,
Renata

Marta disse...

O que é que a vida me pode dar???
Amizade...carinho....risos misturados com lágrimas, mas já com uma ponta de esperança...
Obrigada, Renata
Beijos e abraços
Marta

Graça disse...

Gostei do poema. E gosto do autor.

Beijo meu.

Daniel Costa disse...

Renata

O poema de Manuel Bandeira é um regalo. O Brasil tem poetas extrordinários, para mim o próprio país é poema.

Daniel Costa

rouxinol de Bernardim disse...

Poesia assim é digan de meditação. Gostei muito!

Silvana Nunes .'. disse...

Navegando sem ruma com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Se gostar, siga-me.
Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !