quarta-feira, 21 de outubro de 2009

AS SEM-RAZÕES DO AMOR, UM POEMA DE CARLOS DRUMOND DE ANDRADE


AS SEM-RAZÕES DO AMOR
Carlos Drummond de Andrade

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque te amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

5 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Ótima escolha, Marta.
Beijos e obrigada,

meus instantes e momentos disse...

bonito post....
Maurizio

Daniel Costa disse...

Marta

A tua opção, recaindo em Carlos Drumond de Andrade, só podia se atraente para mim. Este poema não tinha lido, de contrário releria, como o faço sempre com agrado, aos do poeta.
Beijos,
Daniel

Nilson Barcelli disse...

Um excelente poema.
Foi uma bela escolha querida amiga.
Beijos.

Graça disse...

Gosto muito de Drummond... boa escolha, Marta.



Beijo para as duas.