quarta-feira, 2 de setembro de 2009

TRÊS OU QUATRO SÍLABAS, UM POEMA DE EUGÉNIO DE ANDRADE

Três ou Quatro Sílabas
Eugénio de Andrade
(1923 - 2005)


Neste país


onde se morre de coração inacabado


deixarei apenas três ou quatro sílabas


de cal viva junto à água.





É só o que me resta


e o bosque inocente do teu peito


meu tresloucado e doce e frágil


pássaro das areias apagadas





Que estranho ofício o meu


procurar rente ao chão


uma folha entre a poeira e o sono


húmida ainda do primeiro sol.


(Foto: Desconheço o autor )

3 comentários:

Lídia Borges disse...

Seja quem for o autor, as palavras são lindas.
Destaco as que mais me "tocaram":

"Procurar rente ao chão uma folha entre a poeira e o sono húmida ainda do primeiro sol."

Um beijo

Marta disse...

Mas o poeta está indicado no título - Eugénio de Andrade, um poeta que viveu na cidade onde também eu habito - Porto.
Obrigada pela visita..
Beijos e abraços
Marta

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

o poema é lindo, Marta. Gostei muito, vc escolheu muito bem, como sempre.
Beijos,
Renata