quinta-feira, 27 de agosto de 2009

VILA VIÇOSA, POEMA DE DANIEL COSTA






VILA VIÇOSA
Daniel Costa

Na princesa do Alentejo
Apenas uma vez passei
Perto da vila dos mármores
Depois bastante viajei
Foi berço de Florbela
Da Espanca, da poetisa
Que ali não homenageei
Em Borba, em Terrugem
No mesmo dia passei
Talvez por isso, pela beleza
Pelos mármores,
Que a outra 
Terrugem
Junto a Sintra tem
A Vila Viçosa
Apelidam de a Sintra
A Sintra do Alentejo também
Ainda era menor, o que tem?
Fizera vinte anos
Sem sentidos
Transportaram-me ao hospital
O de Elvas
O Militar Principal
Viajava individual
O majestoso palácio
Dos Duques de Bragança apreciei
As amargas e bonitas laranjas
Laranjeiras não esquecerei
Porém!...Florbela Espanca?
Que existira, nem sabia
Por isso não me curvei
Aos deuses e às musas
Perdão, sempre pedirei

http://casalfoz.blogs.sapo.pt

Orkutei.com.br


D.M Graphics




6 comentários:

Marta disse...

Lindo, Renata.
O poema do Daniel, as fotos e o poema da Florbela Espanca..
As imagens estão lindas.
Beijos e abraços
Marta

Daniel Costa disse...

Renata

Sabias que o foi escrito no dia 8 de Dezembro de 2007? Data de aniversário de nascimento e silmultanemente do suicidio de Florbela Espaca. Postei num comentário a um post da amiga Helô de Santa Catarina. Logo o postou e depois mo enviou ilustrado.
Como diz, passei a Vila Viçosa aos vinte anos, como militar e nunca mais.
Hoje a Helô acabou com o blog, mas trocamos Mails e continua amiga.
Por útimo, gostei de rever, superiormente ilustrado.
Beijos,
Daniel

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Obrigada Daniel e Marta, até me esqueci de deixar registrado aqui o meu apreço por Florbela Espanca e, é claro, Daniel Costa.
Renata Cordeiro

M@ disse...

Olá amiga, voltei das férias, como tem passado?
Espero que tudo esteja bem.
Deixo um abraço amigo.
Manuela

Luciana disse...

Rê que linda postagem amiga e o Daniel está de parabéns.
Bjinhos

Vivian disse...

...vivemos em um mundo
tão conturbado por atos
tão mesquinhos de alguns
'homens' no poder,
mas em contra-partida,
podemos escolher viver
entre flores perfumadas,
estas que habitam a alma
de quem ama o belo da vida,
e assim cuida para que ele
nunca se desvaneça em meio
ao caos...

aqui é assim...

a casa que respira poesia.

adoro...

que alma linda,
esta
do Daniel!!