sexta-feira, 28 de agosto de 2009

SEM TÍTULO, UM POEMA DE ANTÓNIO MARQUES LEAL


Lábios sedentos.

Lábios que pedem,

a uma simples paisagem

ou a mais uma folha da vida,

para que se cumpra o dever

de despertar a curiosidade de um querer

e de imaginar cenas

envolvidas em fumo branco e nuvem de cristais,

onde tudo se ouver e tudo se sente.

Mas tudo se esquece.



António Marques Leal (Livro "Deserto de Ecos")
Foto de Negateven "When my arms wrap you around" (Olhares.Com)

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bonito, Marta. Gostei muito.
Beijos,

Lídia Borges disse...

As partidas da memória...


Um beijo

Luci@n@ disse...

Bonito poema parabéns para a Marta.
Bjinhos