terça-feira, 18 de agosto de 2009

HAICAIS DE GUILHERME DE ALMEIDA (1890-1969)

Haiku Painting, Sister E. Nemeth

HAICAIS
Guilherme de Almeida (1890-1969)

NOTURNO

Na cidade, a lua:
a jóia branca que bóia
na lama da rua.

MERCADO DE FLORES

Fios. Alarido.
Assaltos de pedra. Asfaltos.
E um lenço perdido.

EQUINÓCIO

No fim da alameda
há raios e papagaios
de papel e seda.

O SONO

Um corpo que é um trapo.
Na cara, as pálpebras claras
são de esparadrapo.

JANEIRO

Jasmineiro em flor.
Ciranda o luar na varanda.
Cheiro de calor.

DE NOITE

Uma árvore nua
aponta o céu. Numa ponta
brota um fruto. A lua?

Desliguem o som e curtam o Noturno B flat minor, op. 9, n. 1, de Chopin, magistralmente interpretado por Maria João Pires.



4 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Guilherme de Almeida fez muito pela cultura do meu país, por isso merece ser aqui homenageado, na sua produção menos apreciada, os haicais.
Renata Cordeiro

Luciana disse...

Não conhecia o autor por isso é bom passar aqui e aprender gostei muito do janeiro.
Bjs

Daniel Costa disse...

Renata

Maria João Pires é magistral, o poem como outros que tens trazido dá conta da tua eclética cultura.
Beijos,
Daniel

Marta disse...

Também não conhecia este poeta, mas gostei do poema e da forma como está estruturado.
O video também é brilhante.
Parabéns.
Gostei imenso
Beijos e abraços
Marta