terça-feira, 4 de agosto de 2009

DÚVIDA, UM POEMA DE MARIA TERESA HORTA


Amor
a tua voz
e a minha sensação de vácuo

de liberdades paralelas
ontem
esquinas encontradas
no ângulo dos lábios

Amor
a tua lâmpada de nevoeiro
sulcado
manhãs de aves
súbitas
com noites inventadas

nada
é o teu rosto
insetos de vertigem
sem paisagem.

(Foto de Yuri B)

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Não conhecia o poema só a autora. Gostei. Não estou muito bem hj, Marta, só entrei mesmo para ver se vcs tinham publicado.
Beijos,
Renata

If Only disse...

Bela escolha do poema pela Marta.
Bjs

Daniel Costa disse...

Não conhecia este poema de Maria Teresa Horta, não só porque sou apreciador da sua poesia, gostei de ler e conhecer.
A ilustração também está bem.
Daniel