quarta-feira, 5 de agosto de 2009

CORRE O MUNDO NO ESPAÇO, POEMA DE ESTER DA ENCARNAÇÃO CORDEIRO (1917-1992)

Emoção e Vida, Nelci Baltar

CORRE O MUNDO NO ESPAÇO
Ester da Encarnação Cordeiro (1917-1992)

Corre o mundo no espaço,
Corre tudo com ardor;
Corre a noite para o dia,
A abraçá-lo com furor.

Tudo corre, e, com o mundo,
Tudo sofre movimento:
Foge a vida para a morte,
Foge a nuvem com o vento.

Aos felizes dêste mundo,
Corre a vida alegremente,
E, quando menos esperam,
Chega a morte de repente.

Mas para aquêles que amam,
E esperam por seu amor,
Passa tudo devagar,
Porque passa com a dor!

E a vida vai correndo,
Só o relógio não corre,
Cada segundo que passa
É uma ilusão que morre.

Mas apuram-se os sentidos,
E, quando algo se pressente,
Estuga no peito o passo
Uma outra esperança olente.

E neste correr da vida,
Tudo passa, não importa.
Ai! quanta ilusão perdida!
Ai! quanta esperança morta!

(In:
Fragmentos)

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Divulgo um poema da minha tia, portuguesinha trigueira e linda, tão amada, mas que nunca se permitiu amar. Não publicou nada em vida. Nós, os seus sobrinhos, é que lançamos seu livro após a sua morte.
Renata Cordeiro

Daniel Costa disse...

Renata

Um excelente poema! A tia Ester parecia enteder destas coisas do coração.
Segundo tu, não obervadora era. Tudo o que afinal a poetisa necessitava para escrever algo de interesse nesse sentido.
Fê-lo bem e deixou bons seguidores.
Fazes bem, recordar a tia Ester.
Beijos,
Daniel

Marta disse...

Pois é, Renata, a vida passa a correr e não damos conta....
Lindo; gostei muito..
Beijos e abraços
Marta