sábado, 8 de agosto de 2009

COMO TE AMO, POEMA DE RITA BARÉM DE MELO (1849-1868)

Contentamento, M. Parrish, 1927

Ves cuantas flores al prado
La primavera prestó?
Pues mi dueña adorada
Más veces te quiero yo.
(Cadalso)



COMO TE AMO
Rita Barém de Melo (1849-1868)

Vês no céu quantas estrelas
Vai a noite encastoar?
Que de luz e resplendores
Vão as ondas inundar?

Vês as vagas quantas nascem,
Quantas morrem lá no mar?
Já contastes os suspiros
Do seu triste farfalhar?

Já contaste quanta nuvem
Vem d´aurora ao despontar?
Quantas flores reverdecem,
Quantas aves vêm folgar?

Não vês quantas borboletas
´Stão ao prado a volitar?
E na flor do jasmineiro
Leques d´ouro desatar?

Vês a linfa cristalina
Quanta vaga vai frisar?
Vês de raios quanta fita
Cai nas ondas do luar?

Pela aurora na roseira
Quantas gotas vão molhar?
Quantas folhas pelo outono
Pode o vento dissecar?

Já contaste quantos hinos
Se desprendem do palmar?
Quando o vento ciciando
Vai por ele a perpassar?

Quanta nota doce e terna
Sabem eles encerrar?
Quantos beijos ao filhinho
Vão da mãe acalentar?

Já contaste quantas folhas
Vão as matas alindar?
Um a um dos passarinhos
Quebro a quebro a gorjear?

Já contaste espalhadas
Sobre a areia à beira-mar
As conchinhas a milhares,
A milhares d´encantar?

Já contaste gota a gota
Quanto pranto faz chorar
A tristeza d´orfandade
D´amargores e pesar?

Quanta cisma, quanto sonho,
Vem d´amor ao despertar!
Qu´esperanças e venturas
Faz nascer ou desfolhar!

No mais fundo do meu seio
Mais amor sei encerrar,
Mais enlevos ess´afeto
Nele veio derramar.

Essa rosa da existência
Mais vida me veio dar,
De meu coração nas fibras
Mais perfumes exalar.

Porto Alegre, 1856

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Publico este poema de Rita Barém de Melo, porque esta poetisa é mesmo desconhecida. Seus poemas só foram publicados em 1998 por duas editoras associadas do Sul do Brasil.
Renata Cordeiro

Marta disse...

Boa escolha, Renata...
Poema simples, mas intenso..
Gostei muito.
Beijos e abraços
Marta

Daniel Costa disse...

Renata

Gostei do poema, que me parece óptimo.
Depois de ler, apetece dizer numa célebre canção vencedora do festival da canção Europa TV, interpretrada, salvo erro por Vicky Leandros:
"Deus como te Amo / mais não será possível!..."

Abri hoje um novo Blog para os selos. Iniciei com a postagem de um e voltei a nomear-te, eras indispensável.
Nick: amigos pensamentos.
As pessoas contempladas, serão as que me acompanham, com assiduidade, há mais tempo.
Espero por ti.

Beijos,
Daniel