segunda-feira, 13 de julho de 2009

A UMA DAMA, PONDO A FLOR DO AMOR-PERFEITO NA FLOR DO MALMEQUER, POEMA DE SEBASTIÃO DA ROCHA PITA (1660-1738).


A UMA DAMA, PONDO A FLOR DO AMOR-PERFEITO NA FLOR DO MALMEQUER.
Sebastião da Rocha Pita (1660-1738)



SONETO E AGUDOS

Com termo impróprio de corresponder
com imperfeita forma de primor,
tem posto Fílis o perfeito Amor
no desdém de um grosseiro malmequer.

Que pode em dois contrários pretender,
nesta união de afeto e de rigor,
por Enigma juntando flor, a flor,
em confusão metendo ser, e ser.

Mas Fílis se alucina em presumir,
que dois extremos se hão de conformar,
quando juntos não podem existir.

Pois nas ações de aborrecer, e amar
se é ódio o malmequer, se há de extinguir,
se o Amor é perfeito, há de durar.

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Escolhi este poema porque se conhece muito pouco a poesia brasileira do século XVII.
Renata Cordeiro

Gustavo disse...

Lindo soneto
Voltaremos.
Beijos do Gustavo e da Manuela

BLOG DO GI disse...

Foi o que achei de mais bonito aqui.
Beijo e voltarei,
Gi