terça-feira, 14 de julho de 2009

TRISTE FILOSOFIA, POEMA DE CARLOS MAXIMINIANO PIMENTA DE LAET


TRISTE FILOSOFIA


Carlos Maximiniano Pimenta de Laet (1847-1927)

Ia a Rosa vestir-se, e do vestido
Uma voz se desprende e assim murmura:
“Muitas morremos de uma morte escura,
Por que te envolva serico tecido!”

Ia toucar-se, e escuta-se um gemido
Do marfim que as madeixas lhe segura:
“Por dar-te o afeite desta minha alvura,
Jaz na selva meu corpo sucumbido!”

Põe um colar, e a pérola mais fina:
“Para pescar-me quantos párias, quantos!
Padeceram no mar lúgubres sortes!”

E Rosa chora: “Oh! desditosa sina!
Todo sorriso é feito de mil prantos,
Toda a vida se tece de mil mortes!”

3 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Escolhi este poema, porque o seu autor é desconhecido até mesmo no Brasil.
Renata Cordeiro

só louco disse...

Não conhecia. Saio daqui encantado com tanta beleza. Não esquece de me mandar e-mail.
Beijos afetuosos do Joe, Linda

Carente disse...

Nunca ouvui falr, mas gostei.
Beijos e eu volto.