sexta-feira, 17 de julho de 2009

DESEJOS - António Manoel Abreu sardenberg-

Este desejo que me invade a alma
e enlouquece um coração aflito
Já foi um dia bálsamo que acalma,
um aconchego meigo e tão bonito.
Esta angústia que me faz sentir
um sentimento que deixou ferida.
Já foi ternura quando da chegada!.
Já foi tristeza quando da partida...
Que este encontro que nasceu tão breve,
Possa pra sempre a vida predurar
que nunca exista então a despedida.
E que minha alma possa então amar
Lindos momentos quando da chegada
E esquecer todas as partidas...


2 comentários:

AFRICA EM POESIA disse...

Vim desejar bom fim de semana e convidar a buscar o selo que tenho para oferecer.

++++++++++

Sol bonito


Sol
Muito sol…
Calor
Muito calor…
E tranquilamente
Com passos curtos
Muito curtos…
Avanço devagarinho
E entro na água
Água do mar…

Mar quente e belo
Mar que atira…

Com fúria
A água
Para o meu corpo…

E dentro da água
Sinto o bater das ondas
E tranquilamente…

Deixo-me acarinhar
E deixo-me embalar
Pela suavidade
Do mar…

Lili laranjo

Daniel Costa disse...

Renata

Não creio muito em coincidências, estas parece que acontecem, porque se trabalham.
Bem mas vamos ao bonito poema, que o é, pelos meus padrões de gosto.
A uma bela e desejada chegada, por vezes segue o sabor amaro da partida.
Terá tido esse sentido, o pensamento o poeta!

Beijinhos,
Daniel