quarta-feira, 8 de julho de 2009

CANOAS DO TEJO, UM POEMA DE FREDERICO DE BRITO

canoas do tejo

Composição: Frederico de Brito

Canoa de vela erguida,
Que vens do Cais da Ribeira,
Gaivota, que andas perdida,
Sem encontrar companheira

O vento sopra nas fragas,
O Sol parece um morango,
E o Tejo baila com as vagas
A ensaiar um fandango

[refrão:]
Canoa,
Conheces bem
Quando há norte pela proa,
Quantas docas tem Lisboa,
E as muralhas que ela tem

Canoa,
Por onde vais?
Se algum barco te abalroa,
Nunca mais voltas ao cais,
Nunca, nunca, nunca mais

Canoa de vela panda,
Que vens da boca da barra,
E trazes na aragem branda
Gemidos de uma guitarra

Teu arrais prendeu a vela,
E se adormeceu, deixa-lo
Agora muita cautela,
Não vá o mar acordá-lo

Foto retirada do Google

Letra de fado - Por Carlos do Carmo

5 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Fados costumam ter letras muito lindas. Eis um deles.
Muito bonito, Marta.
Beijos,
Renata

sagitario disse...

olá marta,
infelizmente já não há canoas no Tejo, mas fazem-se cruzeiros e são uma maravilha, brevemente irei fazer um e depois conto como foi ok.
É uma boa homenagem trazer aqui poemas que foram cantados por boas vozes do fado e que ficaram na memória de todos.
bem-haja por isso.
um abraço

Graça disse...

Também gosto deste fado...

Beijos a todas.

Luciana disse...

Não conheço nem o poeta e nem o poema mas parebéns a Marta.
Te enviei um chaveiro numa cartinha é simples mas é de coração pelo dia do amigo coloquei ontem no correio deve chegar por esses dias.
Bjs

Daniel Costa disse...

Renata

Conheces o fado?
Ouvio-o ao vivo no "Faia" casa de Fados que foi do Carlos do Carmo, creio que já tinha sido da mãe, a grande fadista Lucília do Carmo, que também ali ouvi.
Creio que conhecesses o ambiente duma casa de Fado!... Com a minha capacidade de emocionar, com o ambiente, com Carlos e o grande elenco ia até à lágrima teimosa.
Se vou ouviste, procura Docas de Lisboa, também cantada pelo autor, Paulo de Carvalho, difil a escolha,
entre ambos, tem uma sonoridade maravilhosa.
Enfim, até deves conhecer!
Beijo,
Daniel