quarta-feira, 15 de julho de 2009

AMOR... - Ana Briz- Poetisa portuguesa


O desejo impudor do teu olhar
percorre o meu corpo, em abandono,
meus seios túmidos no salivar
dos teus lábios, refrescam o meu sono.
Sinto ainda a dormência do teu braço
por sobre o meu, no tempo esmaecido,
e, por dentro de mim, no mesmo abraço,
o teu amor cansado, adormecido.
que espero, não sei, neste instante nosso.
Só sei que separar-me eu já não posso
sem quebar-lhe a beleza tão fugaz.
Quando acordares amor, olha para mim,
Repetiremos tudo até ao fim
Pois só assim o amor não se desfaz.


Um comentário:

Luciana disse...

Repetiremos tudo até ao fim
Pois só assim o amor não se desfaz.

Gostei muito desse trecho final.
Bjinhos