quarta-feira, 17 de junho de 2009

A HORA DA PARTIDA, POEMA DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDERSEN


A HORA DE PARTIDA


A hora de partida soa

quando escureceu o jardim e o vento passa,

Estala o chão e as portas

batem, quando a noite

cada nó em si deslaça.

A hora de partida soa

quando

as árvores parecem inspiradas

como se tudo nelas germinasse

Soa quando no fundo dos espelhos

me é estranha e longínqua

a minha face.

E de mim se desprende a

minha vida.

(Foto "Encontro Perfeito" Francisco Mendes, Olhares.Com)

3 comentários:

Sandra disse...

Hora da Partida. Como é triste este momento.
Como diz o velho ditado. É um parto sem parto, mas é parto do verbo partir. Que machuca e delacera os corações apaixonados.
Parabéns pela linda poesia.
Sandra

Luciana disse...

Gostei desse a partida é triste mas faz parte da nossa vida adorei o novo blog sucesso.


Bjs

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Muito bom este poema, adoro a autora. Ótima escolha.
Beijos,
Renata