domingo, 21 de junho de 2009

OUTRA VOZ, POEMA DE MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA


Outra Voz



Ela não pediu esse silêncio. Mas também nada fez

para defender-se dele ou dominá-lo. Quando entrou,

a casa tinha-se calado de repente, as coisas dele

tinham mudado de lugar, desaparecido, e não importava

que tivesse sido ela própria a escondê-las, de véspera,

nas arcas de lãs que só voltaria a abrir no inverno.



Ela não quis conhecer esse silêncio. Soube apenas

que não voltaria a ouvir a voz dele

no espelho do seu quarto - a outra voz.



Sentou-se no chão e abriu um pequeno livro de capa azul.

Naquele fim de tarde, só mesmo os livros podiam dizer

algo mais do que o silêncio - essa outra voz.



(Livro " A Casa e o Cheiro dos Livros")
(Foto "Suave" Daniel Guimarães Silva, Olhares)

Um comentário:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Poema muito bem escolhido, Marta.
Parabéns!
Beijos,
Renata