terça-feira, 23 de junho de 2009

É MORNO O PÔR-DO-SOL, POEMA DE FERNANDO PESSOA

Golden Sunset, Leonid Afremov

FERNANDO PESSOA (1888-1935)

É MORNO O POR DO SOL... (1)

Vosso sonho fechou as janelas, florido,
Deixa a minha alma dar às noites seus gemidos (?)

É morno o por dosol no cerne dos queixumes,
Qual jato de água curvo ao vento, é todo ocioso,
Em mim, o entardecer, fingido e vagaroso,
Brota, descendo sobre os reflexos negrumes.

Aos poucos, tua voz ocupa as sonolências,
Ignotos lapsos entre os átomos da hora,
E sem sabermos de onde alguém, baixinho, chora,
Os ramos em torpor ruminam só demências.

Qual caixa de marfim se fecha todo ser,
Qual folha morta cai enfim todo momento,
Logo não terei mais regato onde beber
O vinho que me faz voar em pensamento.

E, bruscamente, o sopro amornecido deixa
Mossas de sonho sobre as esperas do instante.
Nós choraremos dentro em breve. E as minhas queixas,
Quais som que morre no ar, estão agonizantes.

Como sempre, tardou, irmã, tardou demais.
Pois o vento me ergueu o trigo entre as quimeras
Senti meu coração pulsante e lasso de ais.
Minguou a arte da queixa, à minha breve espera.

Sem calçados, pisais, com rara lucidez,
No porto. Sorri: é o epíteto que, exato,
Deus vos encontrará ao corpo em acidez,
No paço consagrado ao nosso desbarato.

Lembro-me. Junto ao rio escuro e negro, à margem.
Com os cisnes buscando olhares doutras gentes.
Nós agíamos como apóstolos plangentes
Que perderam a fé nas vesperais miragens.

Estáveis totalmente à sombra. E aquele lasso
Órgão chorava atrás do quadro interrompido.
Nós, à sombra em que Deus ficou emudecido,
Face a face, e o rumor da fuga de alguns passos


Rumo à morte, e na sombra, a perder-se no espaço.

(1) Fernando pessoa escreveu este poema em francês poucos dias antes de morrer.


Tradução de Renata Cordeiro

Golden Sunset, Leonid Afremov

7 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Escolhi publicar esse poema de Fernando Pessoa traduzido do francês por mim, pois poucas pessoas sabem que ele também escrevia poema nessa língua.
Renata Cordeiro

Luciana disse...

Parabéns pelo poema Fernando Pessoa.Bjs

tossan disse...

Belo Fernando Pessoa! Gostei do novo blog! Beijo

Marta disse...

Eu não sabia!
Por isso, o facto de estarmos a "trocar" poemas ajuda a desenvolver e a estabelecer pontes entre as nossas culturas..
Boa escolha, Renata.
Obrigada pela visita.
Beijos e abraços

sagitario disse...

o nosso Fernando deixou-nos um património riquissimo. apesar de boémio era único e em outras áreas também de distinguiu como na astrologia e no ocultismo, mas viveu muito pouco e era um inconstante e inconformado, só um espirito irrequieto saberia escrever como ele.
um dia feliz para todos.

cycle disse...

Sabes que me encontro em praticamente todos estes versos... Mas o plano que eu mais gosto do FP é o do Almada.

Graça disse...

Mais Pessoa... sempre Pessoa.


Deve ser uma experiência extraordinária traduzir o Poeta! Magnífico o seu trabalho, Renata.


Um beijo imenso com carinho